domingo, março 21, 2010

Dia Mundial da Poesia!


Velho Cego, Choravas

Velho cego, choravas quando a tua vida
era boa, e tinhas em teus olhos o sol:
mas se tens já o silêncio, o que é que tu esperas,
o que é que esperas, cego, que esperas da dor?

No teu canto pareces um menino que nascera
sem pés para a terra e sem olhos para o mar
como os das bestas que por dentro da noite cega
- sem dia ou crepúsculo - se cansam de esperar.

Porque se conheces o caminho que leva
em dois ou três minutos até à vida nova,
velho cego, que esperas, que podes esperar?

Se pela mais torpe amargura do destino,
animal velho e cego, não sabes o caminho,
eu que tenho dois olhos to posso ensinar.

Pablo Neruda, in "Crepusculário"
Tradução de Rui Lage

Ah pois é...

Os dias que correm...



Em vista do teu currículo
decidimos
ficar contigo.

Entrarás por quinze dias renováveis,
e se fores bom, por três meses
prorrogáveis.

Ao princípio constarás na relação como auxiliar administrativo,
embora te devam ter dito que o que se reforma
é o contabilista.

Vamos contratar-te por quatro horas,
mas não te preocupes, trabalharás oito.
Dada a situação da empresa
pagar-te-emos essas à parte.
No total: 62.700 ptas. por mês,
embora os teus colegas, para completar,
façam três horas mais todas as tardes,
e vêm aos sábados meio dia.
Entre umas e outras coisas
passas das cem mil.

Bom, se não estiveres metido em política,
não queremos confusões com os sindicatos
nem trabalhadores conflituosos.
Ouviste o que Aznar disse
que faz falta para levantar este país, não?
Trabalho, Sacrifício e Tolerância.


Antonio Orihuela
poesia espanhola anos 90
trad. joaquim manuel magalhães
relógio d´água 2000

sexta-feira, março 12, 2010